Posted tagged ‘fortaleza’

Canto comunitário verde

janeiro 24, 2009

dsc036711

Dias cheios aqui em Fortaleza para deixar tudo preparado para a chegada do Arctic Sunrise. O navio agora está em Belém, e nesse momento durante o open boat, com mais de 30 voluntários, mais de 15 tripulantes e mais ainda a galera do escritório. Eu diria, o barco é um escritório móvel e que agora está em Belém, aberto a visitação de pessoas. Demais!

Ontem, pela manhã, fui visitar mais de 20 restaurantes aqui da Avenida Beira Mar. Durante o trajeto aproveite para conhecer o mercado de peixe, onde inclusive são vendidos os camarões da carcinicultura.

dsc036691

O problema aqui é que compensa mais o pescador “artesanal” comprar o camarão da carcinicultura e vender, do que sair ao mar para pescar seu próprio camarão.

Pescadores artesanais acabam se tornando atravessadores

Pescadores artesanais acabam se tornando atravessadores

O camarão da carcinicultura é mais barato e ainda, por ser alimentado com ração, antibióticos e hormônios, dizem que fica muito mais bonito aparentemente. A carne parece uma esponja! Eu não como.

Com isso, muitos pescadores da comunidade passam de pescadores a atravessadores. E os que não são atravessadores, podem tentar um trabalho nas próprias fazendas de criação, que emprega 1 indivíduo por hectare. Já, um hectare de manguezal preservado, garante o sustento de 10 famílias e mais ainda a integridade do ecossistema marinho.

A realidade é dura e crua. Quando estava nessa caminhada, vi um monte de gente, TV, em volta de alguma coisa. Como taurina curiosa não pude deixar de me aproximar. Diziam que os pescadores haviam trazido um tubarão-baleia.

Só não consegui a foto do tubarão ;-(

Só não consegui a foto do tubarão ;-(

Quando por lá cheguei já não tinha mais o animal inteiro, já tinha cortado e estava a venda no mercado de peixe local. Só tinha a cabeça e era impossível se aproximar em meio a tanta gente. Conversando  por ali descobri que essa é a primeira vez que pescam esse tipo de peixe e que ainda, ele não tinha registros para a região.

** depois que eu fui embora, vi no Jornal que o IBAMA aprendeu a carne, e irá doar para instituições públicas.

Bom, continuei a trajetória pelos restaurantes. A idéia foi convidá-los para uma visita a bordo do Arctic Sunrise e conhecer os problemas que ameaçam os manguezais. Fui bem recebida em alguns, em outros não. Mas todos se mostraram interessado em aparecer. Vamos ver agora como será a recepção nos supermercados. (Obrigada, Rosi pela força de conseguir a lista de restaurantes e supers… me ajudou muito!).

No final da tarde, peguei uma carona com o René Sharer da prainha do Canto Verde e parte do Instituto TERRAMAR. As organizações locais fazem um importante trabalho com as comunidades consteiras e com manguezais.

Fui conhecer como funciona o turismo comunitário na Prainha do Canto Verde. Fiquei realmente encantada!

Foto tirada às 5h30 - já bem calro!

Foto tirada às 5h30 - já bem claro!

A Prainha fica a 126km de Fortaleza. Chegamos por lá já era noite! René me levou para conhecer a casa da D. Mirtes. Lá, você se hospeda na casa dos moradores. Eu fiquei no Refúgio da Paz.

A casa da D. Mirtes e sua familia

A casa da D. Mirtes e sua família

Você realmente se sente parte da família de D. Mirtes e tratada como se fosse. Sempre com um sorriso no rosto…

A noite, fui jantar na Pousada Sol e Mar, junto com René e sua esposa. E conheci alguns moradores locais.

O mais interessante ali na prainha, é que os próprios moradores são os que fiscalizam e não permitem que o ambiente seja alterado. Todos respeitam as regras e fiscalizam uns aos outros. Por exemplo, a construção de casas com mais de 2 andares, a venda de terrenos e casas a não-moradores, a pesca da lagosta, do camarão… enfim.

Eles já estão organizados em uma cooperativa para o turismo comunitário e se reúnem frequentemente. Os poucos que conheci pude perceber que dão muito valor ao seu local e são bem engajados e informados.

Acordei pela manhã (5hs) e fui fazer um tour com o René.

As dunas aqui, com os ventos de leste, invandem as ruas, e principalmente as casas. Os moradores se únem muitas vezes, e colocam algumas palhas de coqueiro secas para conter o avanço. Mas a prefeitura precisa ficar mais de olho. Já aconteceu das dunas se moverem para o meio da única via de acesso da prainha.

Os pescadores utilizam técnicas tradicionais de pesca, a bordo de jangadas e catamarãs. Melhor ainda, o catamarã é movido a energia do vento (vela) e utiliza quase nada de combustível.=Os equipamentos de bordo (GPS, sonda, luz e rádio de comunicação) são alimentados por uma placa solar. Fantástico!

René me contou, que na década de 90 (mais precisamente 1993), eles realizaram o projeto SOS SObrevivência. Demais a história, 4 pessoas da comunidade se juntaram em uma jangada de 8m e foram da Prainha do Canto Verde até o Rio de Janeiro, discutir a pesca com os governos.

Chamaram a atenção da mídia para o assunto, fizeram reuniões, propuseram políticas públicas e divulgaram o problema para a sociedade. Que coragem!!!

Parte dessas pessoas hoje continua lutando pela preservação da Prainha… propondo políticas, fiscalizando, exigindo, orientando, educando as futuras gerações.

Vale a pena conhecer e participar do turismo comunitário.

Pude acompanhar o desembarque de um catamarã e como eles se organizam em equipe e família para retirar as caixas de peixe, não encalhar o barco e dividir os pescados.

Durante nosso evento em Fortaleza, no dia 9 de fevereiro, teremos a participação de duas lideranças pesqueiras da Prainha, defendendo a criação de uma área marinha protegida. Isso sim é consciência. O pescador saber o valor da proteção para garantir sua sobrevivência.

Após o tour com René, estava quase na minha hora de pegar o ônibus de volta a Fortaleza. Fiz um pequeno tour com o filho da D. Mirtes. Fui conhecer lugares maravilhosos e aprender sobre a história da Prainha do Canto Verde.

Aproveitei para convidar a todos por lá que visitem o barco do Greenpeace nos dias que estaremos em Fortaleza (7-8 de fev – 10hs-17hs).

No mais, só a agradecer a todos das organizações locais e os moradores da Prainha do Canto Verde, que tão bem me receberam.

Ao final da tarde pude me reunir com os colaboradores do Greenpeace que moram em Fortaleza. 10 pessoas compareceram a reunião e se mostraram bastante engajados e dispostos a salvar o planeta. Afinal, é agora ou agora!

Anúncios