Posted tagged ‘áreas marinhas protegidas’

LULA: ABRa os OLHOS

março 3, 2009

Lula: Abra os Olhos… Salve Abrolhos. Salve o Clima.

prb_0551aweb

Infelizmente esses últimos dias pouco tempo tive para postar aqui no blog sobre as novidades e atividades que estamos fazendo aqui em alto-mar.

O Greenpeace, como parte das atividades da expedição SALVAR O PLANETA É AGORA OU AGORA, passou por Abrolhos para documentar a importância da área para o combate a crise climática.

No entanto, esse paraíso encontra-se ameaçado pelo principal vetor do aquecimento global: a exploração de gás e óleo.

Acompanhe o blog do Greenpeace e veja como foram nossos dias em Abrolhos.

Anúncios

Fortaleza foi palco de discussão sobre os oceanos

fevereiro 12, 2009
Evento lotado a bordo do Arctic Sunrise

Evento lotado a bordo do Arctic Sunrise

Dia 9 de fevereiro foi o dia do Arctic Sunrise e toda a sua tripulação pedir proteção aos mares brasileiros.

O dia foi cheio de atividades. E a primeira atração foi a mais animada. O Grupo Brigada da Natureza do Instituto Aquasis com seus tambores e simpatia cantaram 3 músicas sobre a conservação das espécies marinhas como o peixe-boi, gaivotas e também do ecossistema manguezal.

A Brigada da Natureza simplesmente arrasou

A Brigada da Natureza simplesmente arrasou

Essa era recepção preparada para os donos de restaurantes, supermercados e também para os movimentos comunitários e ONGs locais. Apesar da presença massiva de lideranças pesqueiras e ONGs, apenas 4 donos de restaurantes apareceram e um representante da Associação Brasileira de Supermercados. O esforço de convidá-los foi grande. Foram enviados mais de 680 emails, divulgação em orkut, listas e blogs e ainda visita pessoal e confirmação via telefone com mais de 20 restaurantes e 5 supermecados.

O objetivo da visita ao Arctic Sunrise era informar sobre os problemas que a criação do camarão causa em nossos manguezais, a importância desse ecossistema para a o combate ao aquecimento global e manutenção da saúde dos oceanos e também qual o impacto da atividade sobre as comunidades locais e tradicionais.

O evento contou com a presença do Prof. Jeovah Meirelles que contribuiu imensamente e acrescentou “As fazendas de camarão estão invadindo Áreas de Preservação do Ceará e causando grandes estragos. Outro problema causado pela criação de camarão no Estado é o desmatamento dos manguezais – cerca de 25% dos empreendimentos existentes no Ceará estão localizados em áreas de mangue e mais de 50% não têm licença ambiental para operar”.

A Soraia Vanini, representando a Rede Marinha da AVINA também participou da mesa e colocou um pouco sobre os impactos sociais dessa atividade que acaba por suprimir as tradições dos pescadores locais.

Nesse mesmo evento, dois membros da Assoc. de Pescadores do Imóvel Maceió, vieram a bordo e denunciaram a desapropriação de terras causado pelo turismo desordenado e pradatório.

É realmente uma pena ver que os problemas ambientais da zona costeira estão aumentando e pouca atenção é dada ao assunto, principalmente por falta de vontade política.

Na parte da tarde o evento foi voltado a criação da Área Marinhas Protegida do Litoral leste do Ceará, e contou com a presença, além das organizações locais, do ICMBio, representado pelo Dr. Paulo Maier, diretor da DIUSP.

O evento foi bastante interessante, e as comunidades puderam participar efetivamente. O diretor da DIUSP anotou os encaminhamentos necessários e pediu paciência as lideranças, pela falta de ingerência do governo e falta de estruturação do atual órgão ICMBio, criado a 1 ano e meio.

Paciência é algo que as comunidades e os recursos marinhos já tem a alguns anos, e infelizmente, não sabemos se nossos mares ainda tem muito tempo para a paciência.

Seguimos de Fortaleza para Recife… e por lá prometemos mais atividades, pedindo um melhor uso dos recursos naturais.

Afinal, salvar o planeta é AGORA ou AGORA!

Um outro mundo é possível

fevereiro 2, 2009

Pela primeira vez participei do Fórum Social Mundial. O Fórum é um espaço aberto para debates de toda a sociedade civil.

Estão presentes aqui muitas organizações não governamentais, movimentos sociais, estudantes, professores de todos os lugares do Brasil.

Fiquei surpresa com o tamanho da programação, com a quantidade de eventos propostos, com a diversidade de assuntos e lutas. Você pode encontrar aqui desde o movimento das mulheres feministas até movimento da luta contra a escravidão. Aqui vale um parênteses. Eu achei que a escravidão tivesse sido abolida, mas passeando pelos estandes, fiquei sabendo que ela ainda ocorre em algumas fazendas no interior desse nosso Brasilzão, onde obviamente falta governança e presença do Estado.

Bom, não é para surpreender. Aqui no Fórum tive a oportunidade de assistir em frente ao barco do Greenpeace o filme Mataram a Irmã Dorothy. E aí sim, fiquei chocada. Isso me faz lembrar um pouco a história dos nossos dois ativistas japoneses que foram presos por denunciar a caça de baleias, que é um crime. Apesar de estarmos no século 21, ainda vivemos uma época de censura disfarçada, onde a sociedade ainda têm medo de expor e lutar por seus direitos. Medo de não poderem contar com os órgãos públicos em sua defesa, já que estes muitas vezes estão a serviço da ambição e da concentração de renda na mão de poucos.

Mas, essa indignação passa muito rápido e surge um pontinha de esperança quando se vê que quase 100 mil pessoas se deslocaram de suas cidades para vir até Belém e expor suas opiniões, aprender, buscar informações e levar essas informações de volta, gerando um efeito multiplicador.

O Greenpeace propôs vários seminários durante a semana do Fórum, e todos eles tinham pessoas saindo pela janela. O que eu achei muito legal, pois mostra que as 100 mil pessoas que decidiram vir para o Fórum, vieram engajados e com objetivo de se informar e sair daqui acreditando que outro mundo é possível.

Ontem também foi o dia da minha apresentação “áreas marinhas protegidas e o combate ao aquecimento global”. Eu não sabia muito o que esperar já que o principal assunto do fórum foi a preservação da floresta e seus impactos no clima. Mas a sala ficou lotada, com muita gente interessada em preservar os oceanos, tirando dúvidas e mais ainda, se indignando por que não temos ainda um grupo de voluntários em Belém. Passados 10 minutos, algumas pessoas interessadas já estavam trocando contatos para formar um novo grupo de voluntários.

Veja no blog do Greenpeace os depoimentos das pessoas que participaram. Obrigada Jorge e todos os que estiveram me dando força e apoio nesse dia.

Como diria o meu querido amigo Marcio Astrini além de tudo de interessante que tiveram os nossos open boats, o melhor era a simpatia e a disposição da nossa tripulação e voluntários.

Time de voluntários que segue embarcado para Fortaleza

Time de voluntários que segue embarcado para Fortaleza

Agora, parte do time segue para Fortaleza, que também promete muito trabalho e atividades para construir um outro mundo melhor com os oceanos limpos e saudáveis e maiores investimentos em energias renováveis.

É isso aí…. seguimos felizes pelo rio até chegar em nosso oceano. Afinal, SALVAR OS OCEANOS: é AGORA OU AGORA!

Muitas coisas aconteceram nesses dias todos…. e toda a equipe superou os limites do cansaço para receber mais de 7000 pessoas visitando nosso barco e levando para suas casas as informações sobre os problemas e soluções para o aquecimento global.


Regina visita pela primeira vez a praia

dezembro 6, 2008

 

Baleia Regina visita a praia

Baleia Regina visita a praia

Depois de ser encalhada no Planalto para exigir a criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul, passar por outras cidades para mostrar a importância da preservação dos nossos oceanos… Chegou avez da nossa querida Baleia Regina ir visitar a praia.

O local escolhido foi o litoral norte, na praia da Sununga/Ubatuba.

dsc03482

O Greenpeace, a Sala Verde de Ubatuba e a Secretaria do Meio Ambiente, com apoio das organizações ambientalistas locais, promoveu um debate com as principais lideranças locais para falar sobre a importância da criação de áreas marinhas protegidas.

A sala estava lotada e o debate pareceu bastante interessante e construtivo para as ações futuras. A mesa estava composta pelo Greenpeace, um representante do Governo do Estado Lucila Pinsard, um representante da Assoc. de Pescadora da Praia Grande Peter Nemeth e um representando do Coletivo Ambientalista de Ubatuba, Henrique da ASSU.

 

Evento ocorreu no Colégio Tancredo - Ubatuba

Evento ocorreu no Colégio Tancredo - Ubatuba

Estamos agora acompanhando quais serão os próximos passos para que o processo permaneça participativo e que as APAsp sejam implementadas com sucesso.

Falta ainda lembrar a necessidade emergencial de incluri na proposta áreas de proteção integral para a recuperação efetiva dos recursos já em alto nível de exploração.

Um super valeu para o time que realmente fez tudo isso acontecer…. Caito, Danilera, Daniel, Ju, equipe do CEMAR e Beto Francine da Associação Cunhabebe.

É isso aí, áreas marinhas protegidas já!

Governo de SP cria áreas de proteção ambiental

outubro 11, 2008
Embarcações doadas à policia ambiental

Embarcações doadas à polícia ambiental

Hoje foi a cerimônia de criação das àreas de proteção ambiental do litoral paulista. O evento realizado na cidade de Santos contou com a presença do Secretário do Meio Ambiente Xico Graziano e autoridades da marinha e polícia ambiental. O Dr. Paulo Nogueira Neto, antigo ambientalista também esteve presente no evento, e feliz, comemorou, que já participou de muitas criações de unidades de conservação.

Além da presença de organizações não-governamentais como o Instituto Laje Viva, que atua com mergulho e conservação na Laje de Santos, representado pelo Guilherma Kodja e também o site Brasil Mergulho, representado pelo Clécio Mayrink.

O secretário entregou as embarcações para a polícia ambiental e se comprometeu em acabar com a pesca preadatória e garantiu a implementação das APA do litoral paulista.

Secretário Xixo Graziano

Secretário Xixo Graziano

Esta é uma grande iniciativa do governo estadual, que deveria inclusive ser replicado pelos demais estados, como uma ferramenta para a recuperação dos estoques pesqueiros. No entanto, o evento de hoje significou apenas o começo, de um processo de implementação, que deverá garantir a efetividade da área para preservação.