Arquivo para fevereiro 2008

Lelê de volta a todo vapor!!!!

fevereiro 25, 2008

Bom, depois de 15 dias de férias…
Aqui estou eu de volta… ou vocês acharam que eu ia abandona-los…. será que vocês me abandonaram????

Espero que não. Estou cheia de novidades e energia para os novos passos que teremos para a campanha de baleias e sua continuidade…. Afinal, a luta ainda não acabou.

Durante esse tempo que estive fora muitas coisas aconteceram… algumas boas e outras ruins e tristes…

Infelizmente, logo depois de virarmos a costa para os baleeiros, eles seguiram rumo ao Sul novamente, e 5 dias depois, haviam caçado uma fêmea com filhote. Posso afirmar para todos que recebi a notícia com muita tristeza e decepção. Imaginem vocês, após passar 4 meses chacoalhando em um barco e acreditando que está salvando as baleias, olhar aquela foto, durante as férias. Terrível!

No entanto, a luta não acabou. As mudanças estão nas mãos dos tomadores de decisão, que estarão reunidos na reunião da Comissão Internacional da Baleia, no Chile, em junho desse ano.

A campanha agora ruma para as decisões políticas, para a publicação dos resultados científicos não-letal e os preparativos para a reunião da Comissão Internacional da Baleia.

Fique ligado! Estarei colocando as últimas informações e uma retrospectiva ainda essa semana. Afinal, a ESPERANÇA é aúltima que morre.

Um grande abraço
Lelê

Cruzando o equador…

fevereiro 8, 2008

Pollywogs pintados com chocolate (rsrsrs)

A cerimônia preparada pelos shellbacks foi muito linda… diferente de tudo o que estávamos esperando. O encontro foi no sábado a tarde, quando começa o nosso day off… Pediram gentilmente que comparecêssemos ao helideck ás 15hs. E lá fomos nós, pollywogs, preparados para a batalha.


Regine(pollywog) tentando se defender para seu próprio advogado!!!

Tivemos direito a um advogado, que na verdade, foi comprado pelos shellbacks, e acabou considerando todos os pollywogs culpados, por terem cruzado o equador sem terem pedido permissão a Netuno… e depois cada um recebeu sua culpa.

Tinham vários personagens, e infelizmente não tenho como coloca-los todos aqui no blog… prometo mostrar as fotos aos interessados no meu retorno.


Netuno e sua “esposa”

Eu fui culpada, pois sou cientista… e Netuno tem percebido que os cientistas precisam matar para estudar os animais… Apesar de eu ter explicado a ele, que a minha função ali, era justamente uma pesquisa NÂO-LETAL!!!

De nada adiantaram explicações… a nossa pena foi um banho de água de mar, para que depois, pudéssemos ser batizados por Netuno. Meu nome de batismo agora é BOTO DO BRASIL. Rsrsrsrsrs


Lelê dizendo ser inocente…

Tudo não passou de um teatro muito bem feito, com fantasias e muita alegria… que com toda certeza, encheu o barco de alegria e energia para a seguir jornada, Agora já migramos de um hemisfério ao outro, estamos mais perto de nosso destino: SANTUÁRIO DE BALEIAS DO OCEANO SUL.

Esperanza chega em Hobart Austrália

fevereiro 2, 2008

Depois de 3 meses e meio de viagem Esperanza chega a Hobart, Austrália. Que bom sentir o cheiro das árvores e ver ilhas a nossa frente.

A chegada foi realmente emocionante… para mim particularmente um pouco mais.

Depois de meses no mar, quando cheguei no porto eu tinha simplesmente, uma das minhas melhores amigas me esperando no porto. Eu acho que isso foi uma das coisas mais emocionantes que poderiam ter acontecido na minha vida.

Muito lindo ver a chegada do Esperanza no porto, com muitas pessoas E um urso polar (rsrrs) esperando o nosso retorno. Mas para mim, ouvir um grito no meio de toda essa platéia, foi demais:

– Aêêê Lelê!!!!

Tenho uma grande amiga morando aqui em Hobart por 4 meses, Tatiana Neves, coordenadora do Projeto Albatroz no Brasil, e representando o Brasil no Acordo para Conservação de Albatroz e Petréis. Um super orgulho para o Brasil e mais ainda para mim.

O trabalho que ela faz aqui é muito importante para a conservação dessas aves (que tenho que dizer são maravilhosas, e eu vi muitos na Antártida). Muitas espécies de albatrosses morrem no Brasil na arte de pesca do espinhel. Essa arte de pesca é voltada para a pesca de atuns, tubarões e afins. Você pode saber mais no site do Projeto Albatroz.

Pois é, como podem ver, nossos oceanos têm mais problemas do que vocês podem imaginar, ou melhor dizendo, nossa fauna marinha, tem mais problemas do que podemos imaginar.

Bom, agora tenho 15 dias de folga… tentarei mantê-los informados sobre o que acontece no mundo das baleias. Mais, um pouco menos freqüente agora, por 15 dias, por que realmente preciso de um descanso… voltarei ativa dia 25 de fevereiro.

Continuem acessando e acompanhando a campanha em defesa das baleias.

Obrigada por todo apoio durante esses 3 meses e espero tê-los comigo por toda a campanha. Eu realmente não me senti sozinha durante esses 3 meses por sentir todos vocês comigo o tempo todo. Realmente MUITO OBRIGADA!

Um grande abraço de baleia

Lelê
ps: o vídeo da chegada da expedição já está disponível online.

Ha 60 anos morria um radical da nçao violência

fevereiro 1, 2008

Bom, depois de toda essa discussão de passar ou não as coordenadas para a Sea Sheperd e questionamentos sobre nossa forma não-violenta de atuação…

Nada melhor do que os 60 anos da morte de Mahatma Gandhi para explicar nossos ideais de radicalismo e não-violência.

Então resolvi plagiar meu querido amigo Jorge, no texto que escreveu para a homenagear Gandhi, escrito para o Greenpeace, e espero que isso melhore a compreensão de nosso trabalho, em mar, terra, tentando salvar o planeta.

Por Jorge Cordeiro/Greenpeace

Muitos consideram o Greenpeace como uma organização radical. Eles estão certos. Somos radicais pela proteção do planeta e pela não-violência. E não somos os pioneiros. Há 60 anos, em 30 de janeiro de 1948, foi assassinado um dos nossos maiores inspiradores, Mahatma Gandhi, líder indiano pioneiro da filosofia de ações e protestos não-violentos.

Isso está em nosso DNA, desde que, em 1971, um grupo de ambientalistas e jornalistas zarpou do porto de Vancouver (Canadá) no navio Phyllis Cormack para impedir testes nucleares americanos nas ilhas Aleutas, no Alasca. De lá para cá, praticamos rigorosamente esse princípio. Como Gandhi, acreditamos ser possível mudar o mundo com base nesse valor.

Ao longo de décadas, Gandhi defendeu o uso da não-violência como forma de luta em diversos países. Na Índia, promoveu em 1930 a Marcha do Sal, ato pacífico de desobediência civil que levou milhares de pessoas a desafiarem leis britânicas que proibiam indianos de fabricar seu próprio sal. Sob sua liderança, o país conquistou a independência do Império Britânico e ganhou os alicerces para o moderno estado indiano.

No Brasil, há quem considere o dia da morte de Gandhi como Dia da Não-Violência, mas a ONU instituiu no ano passado, oficialmente, o dia 2 de outubro – data de seu nascimento. Para nós do Greenpeace, todo dia é dia de não-violência. E somos radicais quanto a isso.

Obrigada Jorge pelo texto…desculpe o plágio… mas que estava realmente representando o que eu gostaria de dizer os leitores sobre nossos  ideais de não-violência.

“Existem dois dias no ano em que não podemos fazer nada: o ontem e o amanhã”
Mahatma Gandhi

Um grande beijo a todos
lelê